Festival de cinema

Agência Focaia
Redação
Barbara Argôlo

     Fotos: Barbara Argôlo
Premiados do 20º Festival Internacional de Cinema e Vídeo Ambiental


No último domingo (10), o 20º Festival Internacional de Cinema e Vídeo Ambiental (Fica), na cidade de Goiás (GO), premiou as melhores produções da Mostra Competitiva, ABD e Saneago. O documentário "Construindo Pontes" da fotógrafa e cineasta Heloísa Passos, foi o grande vencedor do festival com o prêmio Cora Coralina e Troféu do Júri Jovem.

O Fica exibiu 101 filmes no total, sendo 47 do estado Goiano. O documentário vencedor do prêmio de R$ 100 mil, descreve a relação conflituosa de Heloísa Passos com seu pai conservador e, paralelamente, das perdas afetivas com o desaparecimento das Sete Quedas, inundadas para a construção da Usina de Itaipu. 

Heloísa (foto abaixo) ressalta que a produção não foi simples, "É um filme delicado, onde eu estou atrás e na frente da câmera com meu pai e a gente pensa diferente. Temos pontos de vista diferente, mas a gente se aceita” acrescentou.
Passos agradeceu emocionada a premiação, dedicando sua vitória a todas as cineastas goianas reforçando o apoio à mulher e a diversidade no cinema. “O ser humano é meio ambiente” completou. 

Público  

Para Nasr Chaul, superintendente de Ação Cultural do estado Goiás, o festival há 20 anos forma cineastas e coopera para que o ensino, na área de cinema, seja difundido no estado de Goiás. 

Com relação as expectativas do festival, Chaul ponderou que o foco não foi em quantidade, mas sim qualidade. "O público não foi o maior que o Fica já absorveu até hoje, mas em compensação, foi qualitativamente o melhor" frisou. Destacou ainda que "Todas as atividades lotadas, mesas com discussões filosóficas, ambientais, religiosas (foram) de altíssimo nível”. Ele completou dizendo que espera que os próximos festivais sejam ainda melhores.

Premiações
Mostra competitiva

Grande Prêmio Cora Coralina – Construindo Pontes, de Heloísa Passos;
Troféu Carmo Bernardes – Melhor Longa-Metragem – “Coros do Anoitecer” de Nika Saravanja e Alessandro d`Emília;
Troféu Acari Passos – Melhor Curta ou Média Metragem – Plantae, de Guilherme Gehr;
Troféu João Bennio – Melhor Filme Goiano – Diriti de Bdé Buré, de Silvana Beline;
Troféu – Segundo Melhor Filme Goiano – “A viagem de Ícaro” de Kaco Olimpio e Larissa Fernandes;
Menção Honrosa – Penúmbria, de Eduardo Brito;
Prêmio do Júri Jovem – Construindo Pontes, de Heloísa Passos;
Troféu Jesco Von Putkammer – Filme Escolhido Pela Imprensa – Penúmbria, de Eduardo Britto;
Troféu Luiz Gonzaga Soares – Júri Popular – Corp., de Pablo Polledri.

Mostra Saneago
“Winding”, do Diretor Avi Belkin.

Mostra ABD Cine Goiás 
Melhor atriz: Eliana Santos pelo filme: A Piscina de Caique;
Melhor ator: Washington da Conceição – O Bazuka pelo filme: A Viagem de Icaro;
Melhor som: Sankirtana Dharma e Guile Martins pelo filme: Diriti de Bdè Burè;
Melhor trilha sonora original: Thiago Camargo pelo filme: A Piscina de Caique;
Melhor montagem/edição: Luciano Evangelista pelo filme: A Viagem de Icaro;
Melhor direção de arte:Ursula Ramos pelo filme: Hugo;
Melhor direção de fotografia:  Matheus Leandro filme: Diriti de Bdè Burè;
Melhor roteiro: Raphael Gustavo da Silva pelo filme: A Piscina de Caique;
Melhor direção: Larry Machado pelo filme: Kris Bronze;
Prêmio Martins Muniz de melhor filme experimental: “Sete Peles” direção: Ana Simiema;
Prêmio Fifi Cunha de melhor filme de animação: O Malabarista direção: Iuri Moreno;
Prêmio Eduardo Benfica para o melhor filme documentário: “Kris Bronze” direção: Larry Machado consistindo;
Prêmio Beto Leão para o melhor filme de ficção: “A Piscina de Caique” direção: Raphael Gustavo da Silva.

Cultura


Agência Focaia
Reportagem
Adailson Pereira


      Fotos: Adailson Pereira/ Vasco Aguiar
    Cine Teatro São Joaquim, local onde os cineastas vencedores receberam a premiação do FICA 2018

O 20° edição do Festival Internacional de Cinema e Vídeo Ambiental (FICA), terminou neste último domingo (10), na Cidade de Goiás, GO. Para o evento foram inscritos 355 filmes, sendo 199 estrangeiros e 156 brasileiros, destes apenas 21 foram selecionados para a Mostra Competitiva.

O FICA é promovido pelo Governo de Goiás por meio da Secretaria de Estado da Educação, Cultura e Esporte. Segundo o secretário da Seduce, Marcos das Neves, a verba destinada para a realização do festival, este ano, foi de dois milhões de reais. 

“Neste investimento estão inclusos estrutura, hospedagem, passagens dos convidados, alimentação e premiação dos vencedores, que foi de 280 mil reais. Considero que essa verba se reverteu de maior sucesso e retorno, era o que o governo esperava”, analisa o secretário.

Segundo o departamento de Credenciação, Coordenação de imprensa, Transporte e Logística do FICA, nesta edição, aproximadamente 700 pessoas foram credenciadas, sendo cineastas, convidados e jornalistas. 

De acordo com a organização, cerca de seis mil visitantes passaram pelas salas de cinema, mesas de meio ambiente (de cinema e oficinas) e minicursos. No entanto, o número foi inferior, se comparado com os dados apresentados pelo Centro de Atendimento ao Turista (CAT) referente ao FICA de 2017, no qual estiveram presentes 11 mil pessoas.

Público

A queda do número de turistas foi sentida no comércio da antiga capital do Estado. A comerciante Bruna Vieira atua no ramo de artesanato e confecções, há dez anos, diz que as primeiras edições do festival foram mais lucrativas. “Apesar da mostra de cinema ser o carro chefe do evento, são os shows musicais que atraem o público para a Cidade de Goiás”, afirma Vieira.

Para um dos produtores do FICA, Paulo Pessoa, o festival retomou suas raízes, que é o cinema e meio ambiente. “Antes tínhamos um show nacional a cada dia do festival, hoje temos apenas um em todo o FICA”, revela o produtor. Ele ainda diz que as atrações musicais se tornaram um evento paralelo ao festival, por isso, houve necessidade de voltar às origens deixando o cinema em primeiro plano.


O produtor relata que apesar da queda do número de turistas, o evento deste ano recebeu nos seis dias, incluindo o show nacional, cerca de 30 mil pessoas. 

Para o superintendente de ação cultural da Seduce, Nasr Nagib Fayad Chaul (foto ao lado) o FICA fez com que duas das três universidades residentes na Cidade de Goiás implantassem o curso de Cinema em suas instituições.

Em relação ao público, Chaul relata que não se preocupa com a quantidade de turistas, “isso não traz benefícios para o festival, pode trazer para o comércio apenas”, afirma. O superintendente revela que o público presente não foi o maior, fazendo referência às outras edições, porém, cita que a qualidade foi a melhor.

A prefeita da Cidade de Goiás, Selma de Oliveira Bastos (PT) relata que o município já se apropriou do FICA. “Eu percebi a participação ativa dos habitantes da cidade, e isso é importante para o evento”, diz. Sobre os investimentos do município, a prefeita cita a logística com hospedagem e alimentação para os participantes.

Personalidades

Como em edições anteriores, vários artistas participaram da 20° edição do FICA. Entre eles, a atriz Bruna Linzmeyer e o jornalista ambiental André Trigueiro. A atriz participou de uma mesa de cinema juntamente com as cineastas Laís Bondanzky e Susana Lira, para o debate sobre a trajetória das mulheres no cinema. Já André Trigueiro foi mediador do debate "A nova espiritualidade".

Outro destaque do festival é a Praça do Coreto (foto ao lado). No local, vários shows regionais atraiam centenas de pessoas. Os estabelecimentos de alimentos e bebidas próximos à praça traziam comodidade aos turistas. Para finalizar, o secretário da Seduce, Marcos das Neves se diz satisfeito e realizado por mais um festival.

Movimento estudantil

Agência Focaia
Redação 
Barbara Argôlo

     Foto: Barbara Argôlo
Estudantes da UFMT/CUA em assembleia deliberaram sobre retorno às atividades em sala de aula, na graduação

Nesta terça-feira (12) ocorreu mais uma assembleia convocada pelo Diretório Central dos Estudantes da Universidade Federal de Mato Grosso, Campus Universitário do Araguaia, com participação de aproximadamente 90 universitários, em pauta, o retorno das aulas, o destrancamento do calendário discente. 

Também esteve em discussão a reformulação do PNAES (Plano Nacional de Assistência Estudantil) que hoje vigora por meio de um decreto, sendo necessário ser definido por legislação aprovada pelo Congresso Nacional, dando segurança jurídica ao plano e ainda a manutenção do valor do Restaurante Universitário a R$ 1,00.

Como novas medidas, na defesa da manutenção da política de alimentação da UFMT, de acordo com o Diretório estudantil, serão formadas duas comissões de estudos. A Central, que englobará 21 membros entre discentes, docentes e técnicos, de todos os campi. 

As decisões estarão diretamente ligadas à PRAE (Pró-reitora de Assistência Estudantil) e a PROPLAN (Pró-Reitoria de Planejamento) e a Comissão Ampliada Local, formada igualmente por discentes, docentes e funcionários técnicos, de cada Campus separadamente, sem limite de membros. 

As comissões farão análises dos contratos de alimentação dos Campi, as questões orçamentárias e financeiras para, então, debater questões relativas à reajuste do valor do Restaurante Universitário.

Na sequência, após feitas as análises, as comissões deverão realizar Fóruns de Assistência Estudantis em todos os Campi da UFMT para apresentações os resultados das discussões realizadas, e uma possível proposta acerca da nova política de alimentação do restaurante universitário. Segundo o DCE, após a realização dos Fóruns, a proposta final será encaminhada ao Conselho Universitário (CONSUNI) para homologação.

Greve estudantil

Na assembleia desta terça-feira foram votados dois encaminhamentos propostos decididos pelos estudantes, que se mostraram decisões mais importante nestas discussões. O primeiro a ser votado dizia respeito à saída do indicativo de greve, que foi aprovada por 75 dos universitários. Ninguém votou contra e 15 estudantes se abstiveram.

Aprovada a saída do indicativo de greve ocorreu a deliberação acerca de uma “Semana neutra”. Esta semana seria necessária para que, assim que retornassem as aulas, alunos e professores teriam uma semana para se organizarem quanto ao retorno. Como resultado, foram 83 votos favoráveis, nenhum contra e 7 abstenções.

Hoje (13) acontecerá no Campus de Cuiabá reunião do CONSUNI (Conselho Universitário) para votação da efetiva formação das comissões e uma possível data de retorno às aulas, com definição de novo calendário acadêmico para o primeiro semestre de 2018. Caso não sejam aceitas as pautas para formação de comissões, o estado de greve continuará até que se defina novas resoluções.