Escrever manualmente é uma prática pouco utilizada diante dos aparatos tecnológicos que nos permitem digitar com rapidez e agilidade. As redes sociais permitem longas conversas com pessoas fisicamente distantes, por isso o envio de cartas se tornou algo raro.


A jornalista Luisa Ikemoto publicou matéria escrita em letra cursiva no  site do Correio Braziliense (Imagem: Divulgação)
O movimento #Aletradaspessoas surgiu nas redes para que os amigos da time line possam conhecer as caligrafias uns dos outros. Desde o início desta semana, diversas postagens surgiram como pequenos recados de internautas de todo o país que resolveram expor sua letra cursiva na web.
Pensando nisso, a jornalista Luisa Ikemoto, repórter do Correio Braziliense, resolveu publicar matéria diferente na tarde de quinta-feira, 5. Ela aderiu ao movimento e publicou a imagem do seu texto manuscrito na sessão ‘Tecnologia’ do site do jornal, com mensagem que mescla a simplicidade da ação ao hábito quase extinto na comunicação digital.
O Portal Comunique-se falou com Luisa sobre a iniciativa de publicar matéria manuscrita, a repercussão nas redes sociais e a proximidade entre imprensa e movimentos da web. Confira a entrevista publicada no C-SE.

0 comentários:

Postar um comentário

Comente esta postagem.