Vídeo publicado no YouTube e compartilhado nas redes sociais mostra o momento em que o jornalista Pedro Ribeiro Nogueira, repórter do Portal Aprendiz, foi agredido por policiais militares na noite de terça-feira, 11. O profissional fazia a cobertura das manifestações contra a tarifa do transporte público em São Paulo quando foi detido. Em contato com o Comunique-se, o Portal Aprendiz reitera que Nogueira continua no Fórum da Barra Funda.
Pedro Ribeiro Nogueira YouTubeCena registra momento em que Pedro Nogueira foi abordado por policiais (Imagem: YouTube/Reprodução)Imagens feitas no alto de um prédio mostram o momento da agressão. Policiais militares da Ronda Ostensiva com Apoio de Motocicletas (Rocam) usaram cassetetes para reprimir o rapaz, que não esboçou reação. Oito policiais chegaram a circundaram-no ao mesmo tempo. Em seguida, Nogueira foi preso.
Segundo o Portal Aprendiz, amigos que o visitaram na tarde dessa quarta, 12, disseram que o jornalista apresenta sinais das agressões, com escoriações no rosto, nas costas e marcas de cassetete.
Em nota enviada ao G1, a Secretaria de Segurança Pública afirmou que o jornalista estava envolvido nos atos, mas não comentou a ação da PM. “O delegado que elaborou o flagrante considerou que Nogueira teve participação ativa nos protestos e atos de vandalismo registrados na Capital. A convicção jurídica do delegado se baseia em depoimentos de policiais que avistaram o rapaz danificando uma viatura e uma guarita policial”, informou.
Preso no exercício da profissão, o jornalista foi indiciado pelos crimes de formação de quadrilha e dano qualificado. Os advogados estão presentes no Fórum, trabalhando para a liberação do profissional.
Sobre o caso, a Associação Cidade Escola Aprendiz - mantenedora do Portal Aprendiz - divulgou nota em repúdio à prisão do jornalista e à agressão da polícia a profissionais de outros meios de comunicação.
Leia a nota de repúdio divulgada pelo Portal Aprendiz:
A Associação Cidade Escola Aprendiz declara publicamente o repúdio diante das agressões e prisões feitas a jornalistas na ocasião da cobertura do Ato Contra o Aumento da Passagem, organizado pelo Movimento Passe Livre.
Um dos atingidos foi Pedro Ribeiro Nogueira, jornalista do Portal Aprendiz. Na noite da última terça-feira, dia 11 de junho, ele foi ao Ato em São Paulo pautado para fazer a cobertura do protesto para o site, um dos braços de comunicação da Associação. Na ocasião, foi preso errônea e injustamente. O que vimos foi uma ação policial baseada na truculência e na violência, o que constituiu um abuso contra as liberdades democráticas e um ataque violento à liberdade de imprensa.
A ação contra os jornalistas de forma geral naquela noite constitui um ato de censura por parte do Estado e das forças policiais. Da mesma forma que não apoia os danos ao patrimônio público trazidos por parte dos manifestantes, o Aprendiz repudia o abuso de poder e o cerceamento da liberdade de expressão que foram flagradas por parte da polícia militar neste evento. Lamentamos que, ainda nos dias de hoje, alguns jornalistas sejam calados forçosamente, vítimas de uma censura que parece ter sido herdada dos tempos da Ditadura Militar. É o país inteiro que perde com isso.


Na foto abaixo, policial usa spray de pimenta contra cinegrafista durante protesto em São Paulo.Rodrigo Paiva/Estadão Conteúdo


O jornal "Folha de S.Paulo" diz que teve 7 repórteres atingidos no protesto. Entre eles, Giuliana Vallone (abaixo) e Fábio Braga levaram tiro de bala de borracha no rosto, de acordo com a publicação. Inicialmente, o jornal disse que eram 6 jornalistas atingidos. Pouco depois das 21h, passou a informar 7 (Foto: Diego Zanchetta/Estadão Conteúdo).

0 comentários:

Postar um comentário

Comente esta postagem.