Dom Pedro Casaldáliga não quer ser vinculado ao nome da secretário de Cultura em suposta lista do trabalho escravo

Dom Pedro Casaldáliga: bispo não quer relacionar nome ao trabalho escravo


O bispo emérito da Prelazia de São Félix do Araguaia (1.200 km a Nordeste de Cuiabá), dom Pedro Casaldáliga, solicitou que o Governo do Estado de Mato Grosso retire seu nome do prêmio de jornalismo organizado pela Comissão Estadual de Erradicação do Trabalho Escravo (Coetrae). O pedido foi protocolado nesta segunda-feira (25) na comissão, na Casa Civil e no gabinete do governador Silval Barbosa (PMDB).

A decisão de Casaldáliga foi justificada pela permanência da secretária de Estado de Cultura, Janete Riva, no staff do Palácio Paiaguás.

Para o bispo, é "incoerente" que um mesmo Governo que realiza uma premiação contra o trabalho análogo a escravidão mantenha alguém que conste na “lista suja” do Ministério do Trabalho e Emprego, exatamente contra o trabalho escravo.

A secretária foi incluída na relação em 2012, após uma equipe do ministério libertar sete pessoas na Fazenda Paineiras, de sua propriedade, em Juara (709 km ao Norte de Cuiabá).

A fazenda  possui mais de 7 mil hectares. Desse total, 1,8 mil hectares seriam para a criação de aproximadamente 3,5 mil cabeças de gado bovino.

Devido a inclusão do nome de Janete Riva na “lista suja” e sua contratação no primeiro escalão de Silval, o Fórum de Direitos Humanos e da Terra de Mato Grosso encaminhou, na última quarta-feira (20), ao governador uma nota pedindo a exoneração "imediata" da secretária. Leia mais AQUI.

Por meio de nota, na semana passada, Janete explicou que houve "confusão" na época da inclusão de seu nome na lista trabalho escravo, "É um equívoco", afirmou.

O fato se deve, segundo ela, à contratação de uma empresa para atuar em sua propriedade, na construção de um curral. Três funcionários estariam sem registro e o processo já está na Justiça.

A secretária também convidou o Fórum de Direitos Humanos e da Terra para fazer uma visita à sua fazenda, com a finalidade de conhecer a realidade em que trabalham seus funcionários.

Por fim, Janete afirmou que as manifestações do Fórum configuram “perseguição política e oportunismo".

Também na semana passada, o governador Silval declarou confiar em sua secretária.

“A Janete garante que está tudo dentro da legislação e que sua propriedade é modelo. A secretária, inclusive, convidou pessoas e a Justiça para conhecer o local. Ela está dentro da normalidade e eu não vou tomar nenhuma decisão precipitada”, disse Silval ao MidiaNews.

Confira a íntegra da nota de dom Pedro Casaldáliga:

"Considerando que a fazenda de propriedade da secretária de cultura do Estado de Mato Grosso, Janete Riva, consta da Lista Suja de Trabalho Escravo do Ministério do Trabalho, eu peço que meu nome seja retirado do prêmio do concurso de jornalismo organizado pela Coetrae/MT.

Atenciosamente,

Pedro Casaldàliga.
Bispo Emérito da Prelazia de São Félix do Araguaia - MT"


Outro lado

A secretária de Cultura, Janete Riva, disse ao MidiaNews que só vai se pronunciar quando tiver conhecimento oficial do pedido de Casaldáliga.

0 comentários:

Postar um comentário

Comente esta postagem.