Transporte Universitário


Agência Focaia
Reportagem
Vasco Aguiar


A Pró-reitoria da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT), Campus Araguaia, Prefeitura do Campus, Serviço de Assistência Estudantil (SAE), Diretório Central de Estudantes (DCE) e Centros Acadêmicos se reuniram na última segunda-feira (20) para discutir, em conjunto, problemas referentes a circulação dos ônibus universitários, que fazem o trajeto entre as duas unidades do Araguaia, nas cidades de Pontal do Araguaia e Barra do Garças. Segundo o pró-reitor, Professor Paulo Jorge da Silva, os ônibus - , os chamados pelos estudantes de “pequis” –circulam de maneira irregular pelas duas cidades, operando acima de sua capacidade. Nestas condições o funcionamento estaria fora do contrato de uso dos veículos, o que, inclusive, teria gerado notificação da Polícia Federal. 

    Fotos: Vasco Aguiar                                                         Ônibus universitário, Unidade II, em Barra do Garças
Na reunião ficou decidido que os ônibus universitários não deverão mais fazer paradas em pontos entre as duas unidades do Campus. Segundo Silva foge da proposta inicial com a empresa. “O transporte universitário foi instituído para trazer alunos do Pontal para fazer suas refeições no restaurante universitário da Barra, de maneira expressa, paradas não eram previstas”. Ele afirma que a partir de agora será feito contato da pró-reitoria com a prefeitura de Pontal do Araguaia e a Empresa Garçastur, a fim de que seja disponibilizado um coletivo da cidade, que faça o trajeto até a Unidade I (Pontal), suprindo a demanda de estudantes que hoje dependem do ônibus universitário.

A reportagem fez contato com a assessoria da Prefeitura de Pontal do Araguaia, que respondeu em nota. “O que temos a informar é que o Sr. Paulo Jorge da UFMT entrou em contato com o Prefeito cerca de uns 15 ou 20 dias, ficando o mesmo de vir falar com o Prefeito Gerson de Moraes pessoalmente, mas até a presente data não compareceu a esta Prefeitura Municipal para tratar deste assunto”, finaliza.

Medidas temporárias

Na mesma reunião ficou definido também que, enquanto o coletivo não estiver à disposição, as rotas dos “pequis” serão alteradas, a  partir do próximo dia 6 de março. Como decidido, o veículo vai descer de Barra do Garças até o Pontal do Araguaia, todos os dias, parando em todos os pontos, porém no retorno não haverá parada, sairá direto da unidade da cidade de Pontal do Araguaia para a outra unidade de Barra do Garças.

Segundo nota publicada pelo DCE, esta será a programação dos veículos, salvo período noturno (último horário 22:00), cujas paradas permanecem as mesmas conhecidas pelos estudantes.

No entanto, assim que estiverem disponíveis coletivos da Empresa Garçastur - que também deverão ter como destino a unidade do Pontal -, os ônibus universitários passarão a circular de maneira expressa, sem paradas pelas cidades, o chamado “ligeirão”, nos dois sentidos.

Contradições

Em entrevista à Agência Focaia, o Pró-reitor disse que “não é possível um ônibus que comporta 66 passageiros estar circulando com quase 90. Essa superlotação não pode ser aceita, põe em risco a segurança dos estudantes”. Acadêmica do curso de jornalismo, Viviane Sales, rebate a afirmação. “É incoerente essa atitude do Pró-reitor, quer dizer que as superlotações dos ônibus universitários são inaceitáveis, mas a superlotação dos coletivos da cidade é permitida, qual a lógica disso?”, questiona. Ela ainda complementa, “segundo o Pró-reitor, estas medidas radicais visam manter a segurança dos alunos da UFMT, mas ele sabe que colocá-los dentro de um coletivo já superlotado é um risco maior ainda”.

A visão do DCE

Coordenadora de Assuntos Estudantis do DCE, Alanna Fernandes diz que a universidade já chegou com a decisão tomada: “eles não chegaram até nós se dizendo dispostos a fazer o que for preciso para melhorar esta situação, de modo a melhorar o transporte universitário. Pelo contrário, disseram que iriam cumprir o contrato e mais nada. Não houve diálogo com o DCE”. Ela ressalta que a decisão foi muito rápida, e o prazo para entrar em vigor está muito próximo. “Queremos uma prorrogação desta data, está muito em cima, não tivemos tempo de pensar em uma alternativa concreta, como pleitear o passe livre e etc. A notícia foi dada na segunda-feira, ainda estamos trabalhando com possibilidades”. 

A coordenadora estudantil fez questão de enfatizar que a decisão tomada pela administração vai contra todos, “nenhum aluno da universidade é favor da mudança do trajeto e horários dos ônibus universitários, isso tem que ficar claro, não queremos perder este transporte, gostamos de vir para universidade de “pequi”, fazer nossas refeições aqui, não podemos perder isto”.

A partir de agora existirá, por parte do DCE e Centros Acadêmicos, mobilizações para debater o tema e propor soluções. Acontecerá amanhã (23) na Unidade II, em Barra do Garças, às 18h, uma Assembleia Geral Extraordinária, no Espaço Multiuso. Para Fernandes, as assembleias são espaços onde ocorre a abertura de mais possibilidades. “Sairão muitas ideias, formularemos mais propostas e o máximo de condições para deixar os alunos em uma situação confortável, por isso a importância de todos fazerem parte”.

ASSEMBLEIA GERAL EXTRAORDINÁRIA 
Pauta: - Questão dos ônibus (pequi e arroz)
DIA: 23/02 (quinta-feira/ amanhã)
HORÁRIO: 18h
LOCAL: Espaço Multiuso (Campus Barra do Garças)

0 comentários:

Postar um comentário

Comente esta postagem.