Resultado de imagem para imagem umberto eco

Folha de S. Paulo

Morreu nesta sexta-feira (19), aos 84 anos, em Milão, o escritor e ensaísta italiano Umberto Eco. A causa da morte do autor, que tinha um câncer, não foi revelada.

Filósofo, semiólogo, linguista e bibliófilo, Umberto Eco era personalidade de renome no meio acadêmico. Sua obra mais célebre foi "O Nome da Rosa", livro que mistura a estrutura de um romance policial com referências eruditas. A obra, lançada em 1980, foi adaptada para o cinema seis anos depois pelo diretor Jean-Jacques Annaud.

No longa, Sean Connery interpreta o frade franciscano Guilherme de Baskerville, enquanto Christian Slater vive o noviço Adso von Melk. Ambos os religiosos investigam mortes que ocorreram em uma abadia no século 14.

"O Nome da Rosa", que vendeu mais de 10 milhões de cópias e foi traduzido para cerca de 30 línguas, foi a primeira obra em que colocou em prática suas teorias sobre a literatura, tendência que seguiria em seus outros romances.

Seu último livro, "Número Zero", foi lançado no ano passado como uma crítica ao mau jornalismo e à manipulação de fatos. À época, Eco disse: "Essa é a minha maneira de contribuir para esclarecer algumas coisas. O intelectual não pode fazer nada, não pode fazer a revolução. As revoluções feitas por intelectuais são sempre muito perigosas".

Ele também escreveu obras como "O Pêndulo de Foucault" (1988) e "O Cemitério de Praga" (2010), lançados no Brasil pela editora Record, além de "Tratado Geral de Semiótica" (1975) e "Apocalípticos e Integrados" (1964), publicados no país pela editora Perspectiva. Seus trabalhos eram usados em cursos de comunicação em todo o mundo.

Umberto Eco nasceu na cidade de Alexandria, na região de Piemonte, norte da Itália, em 5 de janeiro de 1932.

Contrariando os desejos do pai, que queria que ele fosse advogado, Eco entrou na Universidade de Turim para estudar filosofia medieval. Escreveu sua tese sobre o teólogo Tomás de Aquino e se formou em 1954. Diz que, enquanto estava na universidade, deixou de acreditar em Deus -um dos pilares de sua educação- e abandonou a religião.

Foi editor de cultura para a emissora estatal italiana RAI e deu aulas na Universidade de Turim. Durante o ofício no meio cultural, entre os anos 1950 e 1960, conheceu artistas que tiveram forte influência em sua decisão de seguir com a literatura.

Entre eles, destaca-se o Gruppo 63, coletivo literário de neovanguarda criado em 1963 por Francesco Agnello.

Em setembro de 1962, casou-se com Renate Ramge, uma professora de arte alemã com quem teve um casal de filhos. Dividia o tempo entre sua residência em Milão -onde tinha uma biblioteca com 30 mil títulos- e sua casa de veraneio em Urbino.


Em 1988, fundou o departamento de comunicação da Universidade de San Marino e, 20 anos mais tarde, tornou-se professor e presidente da escola superior de humanidades da Universidade de Bolonha.

0 comentários:

Postar um comentário

Comente esta postagem.