O trabalho "Identidade na carne" foi apresentado sábado, 21, no Campus Araguaia da UFMT
 (Foto: Gláucia Olivieri)

Mais duas "Focas do Araguaia", estudantes de Jornalismo  da Universidade Federal de Mato Grosso, Campus Araguaia, defenderam trabalho final de graduação neste sábado (21) em Barra do Garças (MT). Letícia Balayard Galvão e Rayssa Adorno Lande apresentaram livro-reportagem com crônicas a respeito de pessoas que tatuaram o corpo .

A parte teórica revela o estigma que, no passado, perseguiu tatuagens, tatuadores e tatuados. A parte empírica, com bom humor,  reflete a aceitação maior das pessoas em relação ao assunto atualmente. 

 As narrativas têm como ponto de partida alguma tatuagem que cobre parte do corpo de pessoas comuns. Isso mesmo. Em vez de bruxas, feiticeiros e malditos... pessoas comuns ilustradas. Histórias que não contam com fio condutor, mas têm em comum a vontade de retratar na própria pele alguma coisa significativa em suas vidas, triviais mas não melancólicas.

 O livro se chama "Identidade na carne: Uma trama de crônicas e tatuagens". O trabalho teve a orientação do professor MSc. Alfredo José Lopes Costa e como banca julgadora a professora Dra. Lennie Aryete Dias Pereira Bertoque e o professor MSc. Gibran Luís Lachowski. 

0 comentários:

Postar um comentário

Comente esta postagem.