Há uma inquietação no ar. Nas redes sociais as pessoas afirmam posições, denunciam, discutem, exigem transparência, acusam os meios de comunicação tradicionais de parcialidade, superficialidade, irrelevância.
Se a crítica ao descolamento do jornalismo do interesse público é a pedra fundamental da construção de novas formas de comunicação, a enchente de opiniões despejadas diariamente na internet revela os limites do debate desprovido de informação de qualidade.
Para avançar na discussão democrática, torna-se cada vez mais necessária a dedicação e o rigor da apuração jornalística profissional, pautada no interesse da maioria da sociedade, escavada na realidade das ruas, no cotidiano das comunidades, nos dados e documentos ocultados pelo poder público e pelas empresas que dominam a política e a economia.
A independência, a isenção e a consciência de seu papel de comunicador social são qualidades cada vez mais essenciais ao repórter dos novos tempos. Mais do que nunca, é preciso ir às fontes primárias, examinar as questões sob diversos ângulos, aprofundar, checar e rechecar o apurado em campo para produzir reportagens relevantes e reveladoras, com o poder de alimentar o debate democrático e questionar os donos do dinheiro e do poder.
Continue lendo no site
__________________________

0 comentários:

Postar um comentário

Comente esta postagem.