As pegadinhas da mídia com o "se"

Os jornais querem arrancar do Ministro das Minas e Energia que haverá racionamento de energia. O Ministro nega. Os reservatórios do pais estão com 17% de nível de água. Aí o repórter pergunta: "E se baixar para 10%?" E o Ministro responde: "Então haverá racionamento".
Manchete: Ministro admite que poderá haver racionamento.
O repórter poderia avançar mais: "E se acabasse a água em todo o país?". O Ministro responderia: "Ninguém mais conseguiria acender a luz!".
O "se" é a jogada mais manjada e mais utilizada pela mídia e deveria constar em todo treinamento de autoridades.
O mais famoso "se" da história moderna do jornalismo foi o caso Boimate - perpetrado por Eurípedes Alcântara na revista Veja. O jornalista cai em um trote de uma revista científica, falando do cruzamento de boi com tomate na Universidade de Hambuerger pelo dr. MacDonalds. Pauta um repórter para ouvir um cientista brasileiro:
-    O que o senhor achou desse feito?
-    Impossível!
-    E "se" fosse possível?
-    Seria a maior revolução da história da genética.
Veja tirou o "se" da pergunta e publicou a afirmação.
Aliás, dupla barriga: se fosse, de fato, a maior revolução da história da genética, mereceria matéria de capa.
O "se" comporta tudo.
"Se" o Serra matou sua mãe, será considerado um matricida.
"Se" o Lulinha comprou a Friboi, não faltará carne em sua mesa.
"Se" o Aloyzio Nunes apoiar a Dilma será considerado traidor.
Ou seja, se algum repórter fizer alguma pergunta com o "se", recorra à 5a Emenda e diga algo como: "Não respondo sobre hipóteses", porque vem sacanagem na certa.

0 comentários:

Postar um comentário

Comente esta postagem.