Países ricos não cuidam de suas crianças

Unicef

A crise econômica deixa mais de 2,6 milhões de crianças na pobreza em países ricos

Uma política forte de proteção social é um fator decisivo na prevenção da pobreza

Link permanente da imagem incorporada 
A novo relatório da UNICEF revela que 2,6 milhões de crianças foram viver abaixo da linha da pobreza nos países em desenvolvimento desde 2008, de modo que o número total de crianças que vivem em situação de pobreza no mundo desenvolvido está agora em cerca de 76,5 milhões.

O Relatório Filhos da Recessão: o impacto da crise econômica sobre o bem-estar da criança nos países ricos (Innocenti Report Card 12, Centro de Investigação UNICEF) tem um ranking de 41 países da Organização para Cooperação Econômica e Desenvolvimento Econômico (OCDE) e da União Europeia (UE) com base em se os níveis de pobreza infantil têm aumentado ou diminuído desde 2008. 

Ele também mantém o controle da proporção de jovens com idade entre 15 e 24 anos que não trabalham, estudam nem recebem treinamento (taxa de NINI). O relatório também inclui dados do Instituto de Pesquisas Gallup sobre a percepção das pessoas sobre a sua situação econômica e as suas esperanças para o futuro desde que a recessão começou.

Embora os primeiros programas de estímulo econômico adotadas por alguns países foram eficazes na proteção das crianças, em 2010, a maioria dos países mudou abruptamente de uma política de estímulo fiscal para cortes no orçamento, com um impacto negativo sobre as crianças, especialmente na região do Mediterrâneo.

“Muitos países ricos têm experimentado um grande salto para trás em termos de rendimento do agregado familiar, bem como o impacto sobre as crianças têm prolongado para eles e suas comunidades sequelas”, avaliou o diretor de Política e Estratégica global UNICEF Jeffrey O ‘ Malley.

“A pesquisa mostra que a força UNICEF de políticas de proteção social foi um fator importante na prevenção da pobreza. 

Todos os países precisam de fortes redes de segurança social, para proteger as crianças em tempos ruins e em tempos bons e países ricos devem dar o exemplo, o compromisso explícito de erradicar a pobreza infantil através do desenvolvimento de políticas para combater recessões e transformando o bem-estar da criança uma prioridade “, disse O’Malley.

1 comentários:

Alfredo Costa disse...

http://odia.ig.com.br/noticia/economia/2014-11-01/criancas-brasileiras-passaram-imunes-a-recessao-economica-internacional.html

Postar um comentário

Comente esta postagem.