Mobilização

Agência Focaia
Reportagem
Adailson Pereira
Vasco Aguiar


     Foto: DCE Resistência
Acadêmicos da UFMT/CUA ainda permanecem ocupados dentro da pró-reitoria do Campus.

Estudantes da Universidade Federal de Mato Grosso, Campus Araguaia (UFMT/CUA) continuam mobilizados contra a política de preços do Restaurante Universitário (RU). Desde a última sexta-feira (20), os acadêmicos interditaram a entrada do campus, e as aulas não estão ocorrendo. Porém, estudantes que precisam utilizar laboratórios de pesquisa não estão sendo impedidos de entrar. A pró-reitoria da universidade está ocupada pelos alunos e membros do Diretório Central do Estudante (DCE), como forma de protesto contra o aumento de preço da alimentação.

Segundo o DCE, nos três dias de ocupação, aproximadamente 65 estudantes participam ativamente da mobilização. A presidente do diretório, Rayani Camargo relata que uma das dificuldades enfrentadas por eles é a falta de apoio de alguns professores. “Tem muitos que querem furar a paralisação e mandam atividades avaliativas para nós (acadêmicos) no Ambiente Virtual de Aprendizagem (AVA), e isso dificulta manter a ocupação”, analisa.

Em relação à alimentação dos acadêmicos ocupados, Camargo diz que recebem doações de alunos e alguns professores. O almoço é feito pelos próprios estudantes, no entanto, é cobrado o valor simbólico de R$1, segundo a presidente, como forma de ajudar financeiramente a mobilização.

O manifesto acontece também na Unidade de Pontal do Araguaia. Segundo a presidente do DCE, membros do diretório e os acadêmicos fazem alimentação na unidade e recebem doações, “conseguimos duas tendas da Motogarças para colocarmos na entrada da unidade, já que em Pontal não possui guarita”, relata.

Na noite de hoje, o DCE irá promover uma vigília, às 20h, em frente ao RU, em Barra do Garças. Ela acrescenta que serão acesas velas brancas, “queremos que todos os acadêmicos estejam presentes neste ato simbólico”, convoca.
  
Audiência Pública

A reitora da UFMT, Myrian Serra participaria da audiência pública marcada para amanhã (24), às 9h, no Espaço Multiuso, no qual uma das pautas é o valor das refeições no RU. Porém, segundo Rayani Camargo, Serra não teve autorização médica para viajar. Entretanto, a presidente relata que possivelmente a reitora será representada pela pró-reitora de assistência estudantil (PRAE), Erivã Garcia Velasco e pela pró-reitora de planejamento (PROPLAN), Tereza Christina Mertens Aguiar Veloso.

Rayani acredita que a vinda dos membros da reitoria é em caráter informativo. Segundo ela, caso não tenha diálogo, o futuro da mobilização será decidido amanhã. “Após a audiência, faremos uma assembleia geral e decidiremos em conjunto o que fazer”. Ela afirma que uma das estratégias é manter o campus ocupado até quinta-feira (26), como forma de solidariedade à UFMT de Sinop, pois na mesma data, ocorre à audiência pública naquela instituição. A presidente informa que dos cinco campi da UFMT, apenas o Araguaia e Sinop seguem ocupados.

0 comentários:

Postar um comentário

Comente esta postagem.