Fonte - Jornal A Gazeta Cuiabá

O envolvimento com a sociedade e busca de parcerias com foco no desenvolvimento e fortalecimento da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT) fazem parte das propostas de trabalho da reitora eleita Myrian Serra, que será responsável pela administração da Instituição até 2020. Ela teve 49,37% dos votos docentes, técnicos administrativos e acadêmicos. Atualmente, a UFMT conta com 108 cursos de graduação, 56 de pós-graduação, 1.800 professores, 1.700 técnicos administrativos e mais de 23 mil alunos nos campi de Cuiabá, Várzea Grande, Rondonópolis, Sinop e Araguaia. 

 A reitora eleita em entrevista à imprensa local, quando participou de debate em auditório da UFMT, campus Araguaia, CUA.

O crescimento ocorreu após o processo de ampliação e expansão. Agora, a reitora entende a necessidade de fortalecimento dos antigos cursos e estruturação dos que foram implantados há menos tempo. 

Conforme Myriam, cada curso e campus tem as suas necessidades particulares e a avaliação será feita de forma individual. Porém, adianta que, de modo geral, todos possuem deficiência de estrutura. Outro ponto deficitário da UFMT é o número de técnicos administrativos. 

Atualmente, a universidade conta com cerca de 400 funcionários a menos que o necessário. Diante de todas as carências e necessidades existentes, Myriam adianta que o ponto de partida da reitoria será a reorganização acadêmica administrativa da UFMT, que ainda conta com o mesmo estatuto desde a década de 70, não conta com regimento geral e a burocracia é muito presente, com trâmites desnecessários. “Todo funcionamento da universidade vai constar no regimento geral, que durante a sua discussão, vai exigir a mudança do estatuto”.

Para atender as demandas, serão estabelecidas as prioridades de cada área e ainda a busca de parcerias com atores externos. Hoje, somente 1% da receita da UFMT provêm de parceiros. O restante vem do governo Federal, que atravessa uma crise. Assim, a reitora entende que a busca por outras fontes de recursos é importante e indispensável.

Durante o processo eleitoral, ficou bem pontuada a importância da reformulação de questões básicas, como o abastecimento de água, a redução do desperdício de energia elétrica e a ampliação do serviço de internet. A segurança é outro ponto importante a ser trabalhado e a intenção é promover um modelo de serviço mais pessoal, que patrimonial. Para isso, a proposta é de oferta de cursos para os prestadores de serviço, bem como a melhora de alguns elementos, como a iluminação. 

No entendimento da nova reitora, a comunidade local não pode estar alheia ao que acontece na universidade e esse envolvimento será trabalhado, uma vez que a integração é uma forma de fortalecimento e divulgação dos trabalhos realizados pelo mundo acadêmico.

0 comentários:

Postar um comentário

Comente esta postagem.