Literatura africana é tema de curso oferecido pela UFMT Araguaia, aberto à comunidade

Evento acadêmico

Agência Focaia
 
Redação 
Barbara Argôlo


A Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT), Campus Universitário do Araguaia (CUA), realiza na próxima segunda e terça-feira, (23 e 24/07), o curso de "Literaturas africanas dos países de língua portuguesa". As atividades serão realizadas na unidade de Barra do Garças, na sala 220, das 14h às 17h. O curso abordará o contexto histórico e a produção literária de cinco países da África negra de língua portuguesa: Angola, Moçambique, Cabo Verde, Guiné Bissau e São Tomé e Príncipe.

A atividade será promovida pelo projeto TEIA: rede colaborativa de compartilhamento de saberes na universidade. Conforme os organizadores, os conteúdos a serem apresentados foram pensados para atender aos interesses tanto dos estudantes da UFMT, quanto a população da região, em geral.

Uma das ministrantes do curso, será a egressa do curso de letras, Mirella da Silva Luz Couto, acompanhada das estudantes do curso de letras, Bárbara Monielly Silva, Isadora Barreto Bacchin e Danielle Gonçalves Sena, integrantes do grupo de pesquisas: "Literaturas de língua portuguesa: interculturalidade e descolonização", da UFMT-CUA.

Segundo Mirella, os textos literários permitem compreender melhor a relação Brasil/África, pois a cultura africana influenciou fortemente os brasileiros, e a luta do povo africano pela liberdade. “Acredito que essa literatura africana de língua portuguesa tem seu valor literário de forma única, pois cada autor desses países aborda a luta do seu povo, com toda a sua essência”, explica.

Discentes palestrantes

Os responsáveis pelas oficinas e minicursos, das atividades do evento, promovido pelo projeto TEIA, participam ou já participaram de atividades formativas na universidade. De acordo com o professor do curso de jornalismo e coordenador do projeto, Gesner Duarte, “Por conta dos estudos que realizaram ao longo da sua vida acadêmica na Universidade, em projetos de pesquisa, extensão e monitoria, podemos dizer que esses estudantes são verdadeiros especialistas nos assuntos que vão abordar”.

Ainda segundo o professor, ao trabalhar com atividades educativas nas quais os próprios estudantes da UFMT são os principais agentes, o projeto cria um movimento circular de ensino-aprendizagem, de troca de conhecimentos.

A atividade será aberta a toda comunidade e terá duração total de 8 horas, com emissão de certificado aos estudantes participantes, para fins de currículo acadêmico.

As inscrições podem ser realizadas até este domingo (22), pelo link https://goo.gl/forms/jux3ZJSrDOlZ1W1p1

*Com assessoria de comunicação do Projeto TEIA.

Comentários