Uma fonte diz ao Diário que funcionária condenada agiu a mando de alguém com um cargo superior.
Protesto em São Paulo contra Globo deixou apresentador com rosto parcialmente verde
Protesto em São Paulo contra Globo deixou apresentador com rosto parcialmente verde
O Diário manteve contato com uma fonte da Receita Federal. Algumas informações adicionais ao Escândalo da Globo foram trazidas à luz.
A fonte disse ao Diário que Cristina Maris Meinick Ribeiro, a servidora pública da Receita Federal que recebeu uma condenação de quatro anos e 11 meses de prisão da 3ª Vara Criminal Federal do Rio de Janeiro por extraviar um processo em que a Globo era instada a pagar 615 milhões de reais em dinheiro de 2006, era “uma laranja”. Ela não pertencia a departamento com acesso a processos, prontuários etc. Era de uma área burocrática da Receita.
“Ela agiu a mando ou pedido de pessoa que ocupa cargo superior e a Receita do Rio tem o nome de quem está por trás”, informa a fonte.
Se tem, por que não publica?
“O nome ainda não veio a público porque a Região Fiscal à qual pertence o Rio de Janeiro – a 7ª – é a mais indolente e medrosa do país”, diz a fonte.
Cristina agiu com velocidade, segundo a fonte: “O processo deu entrada num 29 de dezembro e sumiu dia 2 de janeiro.”
Outros vazamentos virão, inexoravelmente, e o quebra-cabeças acabará sendo montado peça a peça.
O sumiço da documentação se destinava a favorecer a Globo, por razões óbvias, ou a achacá-la? Caso a intenção fosse chantagear a Globo, terá sido um caso inédito, no meio século da TV Globo, em que alguém imagina ser possível passar a perna numa empresa de enorme poder e limitados escrúpulos.
As respostas virão, provavelmente, pela internet.
Na Era Digital manobras que antes ficavam na sombra acabam vazando para a luz do sol, para o bem da sociedade.
A mídia tradicional não está fazendo rigorosamente nada para esclarecer um caso de torrencial interesse público. Podemos imaginar a razão – e editorial ela não é, dados os contornos espetaculares da história.
Em outros dias, isso significaria o silêncio e, em consequência, a impunidade.
Hoje é diferente.
A internet força a transparência onde não há – e o lucro é de todos, excetuados os interessados na escuridão.

Veja o vídeo da manifestação em São Paulo contra a Rede Globo:

0 comentários:

Postar um comentário

Comente esta postagem.