O pós-jornalismo entra em cena nas manifestações

Por Carlos Castilho , via Observatório da Imprensa

A geração com menos de 30 anos comandou os protestos de rua mas não ficou só nisso. Ela mostrou a cara também na complicada arena da comunicação introduzindo formas inovadoras de trocar ideias e disseminar notícias.
O fenômeno Pós TV, analisado neste Observatório no excelente artigo de Elizabeth Lorenzotti, marca a expansão para a TV dos projetos alternativos de comunicação baseados na Web. O projeto já existia antes da onda de protestos, mas foi a partir deles que a Pós TV ganhou visibilidade pública ao se transformar na fonte de acesso direto ao movimento iniciado com a campanha dos estudantes pelo passe livre nos transportes públicos.
Pela primeira vez em muitos anos, os usuários da internet puderam comparar o que a imprensa convencional disponibilizava para as audiências e a informação direta sem edição, tanto em texto como em áudio e vídeo, produzida por jovens praticando o jornalismo direto das ruas, manifestações e assembleias.  
Foi interessante verificar como a geração com menos de 30 anos dá pouca importância aos cuidados editoriais de jornais, revistas e emissoras de televisão e sentem-se muito mais atraídos pela espontaneidade amadorística, e em muitos casos até tosca, de programas transmitidos ao vivo pela Pós TV ou dos textos publicados nas redes sociais e Twitter.
A Pós TV, por exemplo, vem transmitindo ao vivo das ruas onde ocorrem protestos criando um contato direto dos telespectadores com o desenrolar dos acontecimentos. A cobertura está longe de ser tecnicamente perfeita. Imagens fora de foco, iluminação deficiente, câmera instável e narrativa geralmente testemunhal criaram um contraste radical com o noticiário transmitido geralmente de helicópteros ou do alto de edifícios pelas grandes redes.
Enquanto a televisão dos estudantes transmitia emoção e participação, a Globo, Record e Bandeirantes oscilavam entre a preocupação com a assepsia informativa e o proselitismo escancarado. Os defeitos e problemas nas transmissões feitas a partir de telefones celulares e câmeras amadoras portáteis acabaram sendo pouco notados pelo público jovem mais interessado em compartilhar o que acontecia nos quatro cantos do país.
Nas transmissões pela Pós TV de debates, assembleias e reuniões de estudantes foi marcante a ausência do estilo panfletário e ideologizado típico das lideranças estudantis, até a década de 1990. Debate em estudio Pós TV O material divulgado pelo canal com acesso exclusivo através da internet tornou possível conhecer o comportamento, ideias e projetos dos movimentos contestadores numaintensidade e profundidade jamais vistos pelo públicobrasileiro.
A Pós TV é produzida por um grupo de adeptos do jornalismo de participação chamado Narrativas Independentes Jornalismo e Ação (NINJA) e integra o conjunto de iniciativas abrigadas no portal Fora do Eixo, criado em 2009 por  ativistas e intelectuais em Cuiabá (Mato Grosso), Rio Branco (Acre), Uberlândia (Minas Gerais) e Londrina (Paraná).  A meta é tentar aglutinar movimentos, projetos e iniciativas no interior do Brasil, entre elas a ambiciosa proposta de criar uma Universidade Fora do Eixo.
Os NINJAs (responsáveis pela Pós TV) conseguiram diferenciar-se dos demais órgãos da imprensa alternativa brasileira por terem aderido à descentralização informativa, o que permitiu que eles desenvolvessem uma cobertura baseada em contribuições de qualquer pessoa portadora de um celular ousmartphone com câmera digital. Como numa cidade como São Paulo este é o tipo de equipamento quase obrigatório na maioria da população, o problema não foi a escassez, mas sim o excesso de material para transmissão — tanto que no auge dos protestos, na segunda quinzena de junho, os NINJAs tiveram que pedir socorro aos seus simpatizantes.
A grande maioria das publicações alternativas no Brasil atual é produzida segundos moldes clássicos do jornalismo, com centralização e hierarquização das funções. A política editorial é contestadora da ordem vigente, mas a estrutura de produção é baseada nos mesmo princípios da mídia convencional.
O jornalismo móvel praticado por autônomos e amadores, chamado pelos americanos de MOJOs e por outros como jornalismo-cidadão, permitiu que boa parte dos participantes das manifestações pudesse enviar fotos e vídeos para a Pós TV. A capilaridade informativa foi muito superior a das TVs comerciais, onde havia total ausência de fatos. O polêmico Marcelo Rezende, da TV Record, pediu  várias vezes ao vivo: “Alguém me diga o que está acontecendo, tenho a imagem do helicóptero mas não sei o que está ocorrendo na rua”.
Ainda é cedo para avaliar se o projeto dos NINJAs vai ter uma longa duração ou não. No contexto atual da internet, iniciativas como a Pós TV mostram uma alta taxa de mortalidade porque os seus autores acabam atropelados pela mudança acelerada de contextos e de expectativas, aqui e também no resto do mundo. Mas no seu conjunto, a cada projeto que entra em crise surgem pelo menos três outros, conformemostrou uma pesquisa feita pela Oriella, uma rede de relações públicas nos  Estados Unidos. 

Leia também:

Rugido das ruas assusta políticos, burocratas e governantes

0 comentários:

Postar um comentário

Comente esta postagem.