UFMT é a 34ª melhor do país, no Ranking Folha



Universidades

Keka Werneck

 
Três instituições de ensino superior locais aparecem no “Ranking das Universidades 2016” divulgado nesta segunda-feira (19) pela Folha de S. Paulo, que, há cinco anos, faz este levantamento. A melhor posicionada, em 34º lugar, é a Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT). A Universidade Estadual de Mato Grosso (Unemat) fica em 94º e a Universidade de Cuiabá em 144º, em uma lista de 195 escolas.

http://www.sintufmt.org.br/arquivos/255/conteudo/posts/276392.jpg 

Com relação ao ranking de 2015, as três instituições perderam posições. A UFMT foi do 33º lugar para o 34º. A Unemat caiu nove “degraus” - de 85º para 94º. E a Unic migrou do 128º lugar para 144º. As outras instituições de Mato Grosso não alcançaram nota para aparecer no ranking.

As primeiras colocadas foram a Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), a Universidade de São Paulo (USP) e a Unicamp, de Campinas, no interior paulista.

Pesquisa Folha

Para ranquear as melhores instituições do país, a Folha de Saulo leva em consideração os indicadores ensino, pesquisa, internacionalização, inovação e mercado de trabalho.

Quanto ao indicador pesquisa, a Folha investiga qual é o número de trabalhos científicos publicados nos periódicos indexados à base “Web of Science”, uma das principais referências em divulgação acadêmica.

Para saber da respeitabilidade da instituição fora do país, investiga também citações aos trabalhos da universidade feitas em artigos de grupos de pesquisa internacionais.

A inovação também conta ponto. O referencial da pesquisa quanto a isso é o número de pedidos de patentes (direito de exclusividade para explorar comercialmente novas ideias) pela universidade ao Instituto Nacional da Propriedade Industrial (Inpi) de 2004 a 2013.

Já o aval da qualidade de ensino é dado por 726 professores escolhidos pelo MEC para analisar a qualidade de cursos superiores.

Por fim, a Folha considera importante também saber se a instituição pesa na vida dos universitários quando saem para o mercado de trabalho, ou seja, se são mais facil-mente contratados por terem se formado nesta ou naquela escola.

O ranking da Folha avalia as instituições e também os cursos em separado.

Na lista nacional, a maioria das escolas bem colocadas é pública. A PUCD do Rio é a instituição privada em melhor posição (21º lugar), seguida da PUC do Rio Grande do Sul (22º).

Situação 'confortável'

A Universidade Federal de Mato Grosso, por meio de nota, considera estar em situação confortável, já que é a terceira do Centro-Oeste, e aponta os cursos que se sobressaíram: Biologia e Geografia (em 19º lugar), Agronomia (20º), Enfermagem e Nutrição (21º).

Para a reitora da UFMT, Maria Lúcia Cavalli Neder, os dados demonstram os “investimentos nas áreas de pesquisa e pós-graduação, na infraestrutura, na contratação de professores e na qualificação do corpo docente”. Ela admite “fragilidade” no quesito inovação e que é preciso focar nisso.

Estudante de Jornalismo na UFMT, Vinícius Barros, 23, considera “razoável” a posição da instituição federal no ranking “mas poderia ser muito melhor”. Na visão dele, o ensino na UFMT é comprometido por diversas questões como falta de professores e técnicos em diversos setores.

“Fico bastante chateado também com a falta de equipamentos, os poucos que existem estão sucateados. Se a UFMT está nesta colocação com as atuais condições, fico imaginando aquelas que ficaram em colocações piores”, finaliza.

0 comentários:

Postar um comentário

Comente esta postagem.