Professores de Jornalismo do Campus Araguaia publicam nota de apoio aos estudantes, em defesa da política de assistência estudantil na UFMT

Nota Pública

Agência Focaia
Redação
Barbara Argolo

Publicada pelo Coordenador do Curso de Jornalismo da Universidade Federal de Mato Grosso, Campus Universitário do Araguaia, Edson Luiz Spenthof, Nota Pública do Colegiado do Curso, a qual teve origem em reunião no dia 28 de fevereiro. Em pauta, a questão do aumento do preço das refeições do restaurante universitário (RU) da universidade federal mato-grossense. 

No documento o colegiado diz reconhecer e reforçar a legitimidade da luta dos estudantes, por entender que a política de assistência estudantil é "vital para a permanência de muitos estudantes na Universidade". 

Reforça ainda, a necessidade de diálogo sobre o assunto, a transparência das informações e a busca contínua por solução para a crise financeira que a UFMT, bem como, outras Universidades Federais do Brasil, enfrentam atualmente.

Segue nota na íntegra:

Em reunião realizada no dia 28 de fevereiro de 2018, o Colegiado de Curso de Jornalismo do ICHS/CUA/UFMT debateu a questão do aumento do preço das refeições dos restaurantes universitários da UFMT e decidiu emitir a presente Nota Pública, no sentido de:

1. Reconhecer e reforçar a legitimidade da luta dos estudantes, por fazer parte do regime democrático e por entender que a política de assistência estudantil, dentro da qual o amparo à alimentação, é vital para a permanência de muitos estudantes na Universidade e, portanto, para a sua legitimação como instituição verdadeiramente democrática e a serviço da sociedade;

2. Reforçar, como o fez em outras ocasiões, a necessidade de amplo diálogo sobre o assunto, para o qual se faz necessária total e irrestrita transparência de dados e informações;

3. Tornar público o entendimento de que a busca por soluções para a crise financeira que se aprofunda nas universidades federais do Brasil passa:

3.1. No plano interno das instituições, por um equacionamento orçamentário que não amplie as dificuldades vividas pela camada mais vulnerável da sociedade brasileira presente na Universidade;

3.2. No plano externo, pelo enfrentamento político da situação de deterioração financeira das universidades públicas, deliberadamente imposta por um governo que, com o álibi de ajustar as contas públicas, privilegia cortes que atingem duramente a camada mais carente da sociedade brasileira, como condição para a sobra de recursos que, em forma de pagamento de títulos da dívida pública, com juros altos, aumentam ainda mais os assombrosos lucros do sistema financeiro brasileiro e mundial aqui instalado, protegido que está por medidas de austeridade que não o atingem.

Barra do Garças (MT), 28 de fevereiro de 2018
Colegiado do Curso de Jornalismo do ICHS/UFMT

Comentários