Cultura Hippie: da Califórnia a Barra do Garças

Por Giovanna Rosti Vicentine *

"She's a Rainbow" (Mick Jagger e Keith Richardsé a música sugerida para ouvir durante a leitura da matéria de hoje.


Mas quem são os Hippies?


Imagem: Vietnamartwork

O lance dessa galera era ser contra o "sistema" - a sociedade branca de classe média que pregava o apego aos bens materiais. Baseados nos princípios da não-violência e da cooperação, os hippies mais tradicionais costumavam viver em grupos. O centro do movimento foi a cidade americana de São Francisco, na Califórnia. Por lá, os hippies alugavam casarões antigos, onde moravam até 30 pessoas (se liga na ilustração abaixo). Eles faziam jus ao lema "sexo, drogas e rock’n roll", mas, ao contrário do que se pensa, também trabalhavam e tinham hábitos de higiene normais. 

A expressão "hippie" deriva da gíria americana "hip", que significa "bacana, antenado" e era usada pelos antecessores dos hippies, os beats ( intelectuais rebeldes dos anos 1950), para indicar coisas legais. Bebendo dessa influência, professores e alunos de Universidades da Califórnia fundaram o movimento hippie no começo dos anos 1960. Lutando contra a Guerra do Vietnã (1954-1975) e a convocação obrigatória, seus ideais pacifistas se espalharam pelo mundo ocidental e foram fundamentais no desenvolvimento da chamada contracultura - forma de expressão que combatia os valores do capitalismo. O maior canal do movimento foi a música. Roqueiros como Jimi Hendrix, Janis Joplin e os Beatles aderiram ao "paz e amor" e ao experimentalismo psicodélico nas letras e sons. Com o fim da Guerra do Vietnã, em 1975, o movimento passou por uma desmobilização - afinal, o grande motor da união pacifista acabara. Se as "sociedades alternativas" de São Francisco foram desmontadas, os ideais hippies influenciaram outros grupos que surgiram nos anos 1980 e 1990, como os movimentos ecológicos, de defesa dos direitos indígenas e femininos.

Texto retirado de: Revista Mundo Estranho

Imagem: Vietnamartwork


Movimento Hippie está vivo em Barra do Garças

Andando pelas ruas de Barra do Garças (MT), em meio ao trânsito caótico marcado pela forte presença de carretas e motocicletas, a vida agitada de uma jovem cidade que está em pleno crescimento, encontra-se paz ao se deparar com pessoas iluminadas como a argentina Mariana. Ao ser indagada sobre o movimento hippie, diz que ser hippie ou chippie (uma nova vertente do movimento) é apenas um estado de espírito. Em sintonia com a natureza, Mariana elogia a cidade e mostra encanto pelas pessoas. 





O colombiano Maurício além do seu sorriso contagiante, nos revela que não se importa como é denominado o seu estilo, mas sim, que o importante é a paz consigo mesmo e com os que convivem. Artista de rua, vive dos artesanatos que faz e mora há um mês em Barra do Garças.





O estilo de vida, a forma de se vestir, de se alimentar, as ideologias ainda são bastante disseminados, mesmo após tantas transformações e ramificações.


Imagem: Hippie Moviment

Eles evitam comidas industrializadas, preferindo frutas, verduras, legumes e sucos naturais. As comunidades rurais plantam o que consomem. O que sobrava era vendido a preço de custo para outros hippies. 


Sugestão de receitas

Com inspiração no movimento Hippie, duas receitas abaixo:

Receita 1


Para fazer a transição do Verão para o Outono, nada melhor que um prato frio quente, como lhe costumo chamar. Não que os ingredientes estejam frios, mas são cozinhados. E pode-se misturar os ingredientes quentes e frescos de outono, como a romã. Colocar os pequenos bagos numa salada ou em outro prato surpreende o paladar e apela à descoberta de novas formas de criar na cozinha. Mas como já é habitual das nossas receitas, use o que tiver na despensa e transforme os pratos do dia-a-dia em receitas transformadoras.

Tempo: 10 min.

Dificuldade: Fácil

Ingredientes: para quatro pessoas
  • 1/2 embalagem mistura de alfaces
  • 2 mãos cheias de sementes de girassol
  • 1 romã grande
  • 200g de feijão frade
  • 1 punhado de rúcula
  • 1 cenoura
  • azeite
  • sal
  • vinagre balsâmico
  • sementes de sésamo negro
  • alho em pó

Preparação:
  • Lavar as alfaces e a rúcula.
  • Secar e colocar num recipiente para fazer a mistura para a salada.
  • Juntar as sementes de girassol e os bagos de romã.
  • Ralar grosseiramente a cenoura e envolver tudo.
  • Fazer um molho para a salada com os restantes ingredientes.


Receita 2

Imagem: Comida da terra


  • Suco de 1 limão (esprema numa xícara e complete com água)
  • 1 colher de chá de gengibre
  • 1 cenoura média
  • 2 fatias de abacaxi
  • 2 folhas de couve
  • 1 xícara de espinafre
A quantidade dá para dois copos diários. É só bater e tomar sem coar.
* Giovanna Rosti Vicentine é uma "Foca do Araguaia", aluna do 4º semestre de Jornalismo da UFMT Araguaia. Criou o blog In Raízes, na disciplina Webjornalismo, para escrever sobre culturas regionais. 

Comentários