A comunicação empresarial atravessa um período de transição e de incertezas, tendo em vista a emergência de novos conceitos (sustentabilidade, governança corporativa, comunicação como inteligência empresarial) e a necessidade de avaliação/redimensionamento de algumas práticas – o relacionamento com a mídia, os processos de auditoria de imagem, a comunicação interna, entre outras.

É preciso reconhecer que ainda falta à Comunicação Empresarial brasileira percorrer um longo caminho para consolidar o que se costuma dominar “Comunicação Estratégica” e “Comunicação Integrada”, atributos indispensáveis a uma comunicação moderna que efetivamente agregue valor aos negócios e às causas. Essa situação desfavorável persiste porque as culturas organizacionais, com raras exceções, continuam avessas ao diálogo, à participação autêntica, à divergência, à diversidade, à ética e à transparência.

A superação de alguns impasses nessa área passa, obrigatoriamente, pela qualificação da formação dos comunicadores, pela consolidação do espírito crítico, pela valorização da pesquisa e pelo comprometimento das organizações com um projeto amplo de sustentabilidade (socioambiental e econômica).


Neste livro, Wilson da Costa Bueno apresenta tendências dessa área e desenvolve análises para que se constitua um processo estratégico de sua implantação.

0 comentários:

Postar um comentário

Comente esta postagem.