Vicente Carvalho


Esqueça as casas de swing e seus ambientes pouco iluminados. Aqui os mais diversos fetiches de moradores de Nova York são retratados em lugares neutros, em locais do cotidiano e mostram pessoas fetichistas que poderiam ser seus vizinhos ou até mesmo você.

O fotógrafo Danny Ghitis teve a ideia de fazer o projeto pouco tempo depois da legalização do casamento entre pessoas do mesmo sexo em Nova York, mais ou menos no mesmo período em que o livro “Cinquenta Tons de Cinza” começava a chamar atenção e quando um colega seu de quarto disse que um amigo fetichista era doutorando em psicologia.

 Segundo ele, o projeto The Fetlife é uma resposta natural ao que ele sente, é um tentativa limitada de (ou vontade de) entender a natureza complexa da sexualidade nos EUA. Ele começou a procurar pessoas com fetiches em 2008, e logo encontrou uma rede social chamada The Fetlife, onde ele não teve dificuldade em se aproximar de pessoas dispostas a mostrar o rosto nas fotos, pois não é mais uma comunidade subterrânea, e essas pessoas ainda se dispuseram a tirar fotos em suas próprias casas ou em um espaço social delas.

O resultado do projeto (ainda em andamento) você vê abaixo – junto com uma rápida descrição das pessoas sobre as quais conseguimos informações:

The Baroness, diva, dominadora, pansexual, especialista em latéx e designer de moda.

Riley Kilo, 25, transgênero, adulto-bebê, escort e pornógrafo.

Zoe1984, estudante, bissexual, poliamorosa, interessada na luta pelo poder sexual.

Erinhoudini, transgênero, poliamorosa,  e artista anti-escape.

Via hypeness

0 comentários:

Postar um comentário

Comente esta postagem.